«TER PÁTRIA NÃO É NASCER NUM CERTO SÍTIO, É TER DE COMER, TER CASA, ESCOLA, ASSISTÊNCIA MÉDICA». Av. Dr. Magalhães Lemos. Edifício Impacto, Bloco 21. befelgueiras@gmail.com Telemóvel 917684030
Sábado, 26 de Setembro de 2015
Quota dos vivos!

Minúscula.jpg

J Santos Pinho

A ciência hodierna não crê em milagres e contribui para o esmagamento de qualquer crença que ultrapasse a fria e inumana demonstração dos números. Logo, pela lógica aristotélica, se não és um número não existes. Não, não se trata aqui do cartesiano, penso logo existo. Muito pelo contrário até. Pretende-se mais o, existes? Logo pensa!
É que quem lida com pessoas e não com algarismos tem a sensibilidade necessária e suficiente para reagir com a mais genuína indignação face a governantes que tudo reduzem a números fiscais contabilizados e com o destino traçado nas folhas de um qualquer programa do excel logo vertidas em gráficos e figurações aviltantes para a condição humana.
Veja-se a recente questão dos refugiados. Escorraçados e fugindo da fome e da morte certas também eles se transformam em números, em quotas como a do leite, da manteiga, das sardinhas, do atum ou qualquer outra safra que contribui para o enriquecimento de uma minoria de privilegiados. Num dia o primeiro-ministro português vem, ufano e com a humanidade que se lhe desconhece, gabar-se perante o país que conseguiu baixar a quota de refugiados, que o país teria de receber, de um número superior a dois mil para um valor que se situava nos mil e quinhentos! Mais uma grande vitória das políticas austeritárias que, como bem diz o Papa Francisco, matam. Mas noutro dia, bastou que a patroa Merkel o ordenasse para que o servil Passos Coelho – como sempre, dando o dito pelo não dito – logo generosamente se disponibilizasse para receber cerca meia dúzia de milhar de refugiados. Bondoso para o chefe de governo que mais contribui para o aumento da pobreza no Portugal democrático.
Profissionais de saúde, de ensino, alunos, funcionários públicos em geral, tudo encaixa perfeitamente nas restritivas quotas da austeridade dos cordatos pagadores de impostos. Parece que a única coisa que, de fato, não cabe nas folhas de cálculo dos computadores é a imensidão da corrupção, do compadrio, do clientelismo e da impunidade dos poderosos do famigerado arco da (des)governabilidade.
Na política revanchista da direita – e num acerto de contas com as conquistas do PREC – a educação, a saúde, a ciência e qualquer indicador de bem-estar foram chamadas a capítulo e sumariamente decapitadas. O país empobreceu, as classes médias foram destruídas, os ricos cada vez mais ricos e os mais desfavorecidos cada vez mais pobres. Tudo isto em nome de um crescimento económico que não surge; da diminuição de uma dívida pública que, paradoxalmente com o atual governo, pula de cerca noventa e poucos por cento para cerca de 130 %; de um défice que atingirá 7,4% do PIB. A única forma de reverter esta situação é acabar definitivamente com as políticas de direita sejam elas promovidas pelo PPD/PSD ou pelo PS. É à volta da convergência de um programa político de governo que se farão os entendimentos das esquerdas (e não negociando qualquer orçamento de queijo limiano) que quase já não mais reivindicam que as práticas da social-democracia nórdica dos 30 anos gloriosos ou, mais remotamente, do New Deal norteamericano dos anos 30 e 40 do século vinte.
Para uma efetiva política de esquerda há necessidade de uma profunda revisão de ideologias. Nas atuais circunstâncias tem de se partir das reais necessidades das pessoas mais desfavorecidas. A nova forma de fazer política, como refere Boaventura Sousa Santos, tem de ter como centralidade os cidadãos vilipendiados. Provam-no a emergência de novas organizações políticas que surgem do movimento social. Na Grécia com o Syriza, na Espanha com o Podemos, na Inglaterra com Corbyn. Que propõem estes «perigosos radicais»? Vejamos: educação pública gratuita; um sistema público universal de saúde sem exclusões; controle púbico dos bancos, da energia e dos setores estratégicos como forma de promover uma maior igualdade social; limites aos bónus dos gestores e aos salários mais altos; um ordenado mínimo nacional; habitação a custos controlados e mais habitação social; impostos mais elevados para os mais ricos e para as grandes empresas; alívio para os mais pobres e para as classes médias; acabar com as políticas de austeridade que comprovadamente promovem clivagem dos rendimentos e aumentam assimetrias sociais e regionais. No fundo reestruturar as impagáveis dívidas dos países, não colocar em risco as suas democracias e promover o bem-estar dos cidadãos.
Depois do achincalhamento da Grécia e da sua tão vergonhosa quão desnecessária humilhação pelas instituições da união europeia, em Portugal, nas eleições do próximo dia 4 de outubro saber-se-á resistir à estratégia do medo e de intimidação daqueles que apenas, como medidas de resolução da crise, apresentam mais austeridade, mais pobreza e mais miséria. A estratégia do medo – nós fomos maus (o país está melhor, as pessoas é que estão pior), mas os outros serão o descalabro – pode resultar em encomendadas sondagens mas será desmentida pela realidade da votação do próximo domingo.
Reformados, pensionistas, funcionários públicos e precários, desempregados e esmagados pela carga fiscal não esquecerão as tropelias, todas as mentiras de quem tudo, irrevogavelmente, lhes prometeu e em tudo lhes falhou. Pensões e salários esbugalhados, direitos sociais diminuídos; cortes cegos nos cuidados de saúde, na assistência social, no ensino, na ciência e na cultura. O atiçar as gerações mais novas contra pais e avós (a peste grisalha); escorraçar a geração mais nova para o estrangeiro acusando-a de ser piegas e apática nas suas almofadas de conforto, contam-se entre as patifarias do atual governo que conta, agora por altura das eleições, com a amnésia das populações para que possa continuar a servir os interesses do grande capital financeiro que atenta contra os avanços civilizacionais dos direitos humanos, asfixia as pessoas, degrada as democracias e põe em causa a sustentabilidade do planeta.
Não há escolhas ideais dizem alguns. Será. Mas não é menos verdade que não há duas austeridades, uma má e outra pior. PàF e PS, com ou sem a muleta CDS, terão de dar ouvidos à voz do Papa Francisco (por onde andam as práticas da matriz cristã que queriam inscrever na famigerada constituição europeia?) que se insurge, também ele, contra a austeridade que mata. Contra as mentiras dos partidos do chamado arco da governabilidade. Exigimos gente de verdade e que fale a verdade. Não precisamos de recrutar fotografias de bancos de dados para retratar a nossa realidade. Os novos emigrantes, os jovens licenciados ou não, sem emprego nem perspetivas de vida, são os nossos filhos; os desempregados de longa duração e os mais desprotegidos são os nossos irmãos; os mais velhos, mais fracos e vulneráveis são os nossos pais e avós.
O Bloco de Esquerda é o exemplo vivo da convergência à esquerda. Com uma inigualável democracia interna, fruto do seu código genético abrangente, foi o partido mais propositivo da última legislatura. Sendo o partido da oposição com menos deputados no parlamento foi o que, no cômputo geral, mais propostas apresentou e mais propostas conseguiu fazer aprovar. Os seus deputados foram incansáveis nos trabalhos e dos mais profícuos nas comissões parlamentares como, aliás, até os seus adversários políticos são capazes de reconhecer.
A austeridade só afunda o país. A dívida cresce ao invés de diminuir. A inflação é mais do dobro do previsto e do que foi prometido aquando dos sacrifícios impostos. Para acabar com a economia de casino daqueles que só lucram com o empobrecimento e o aumento da miséria a solução é votar. Fazer parte da solução e não do problema. Resistir e ousar desobedecer à austeridade. Criar emprego e recuperar direitos. Modernizar o país e aprofundar a democracia.
Não esqueçamos que não votar, para mostrar desagrado e insatisfação, é deixar que os outros decidam por nós. No próximo domingo é necessário votar, também, para avaliar o não cumprimento das promessas eleitorais. Não estamos condenados à exploração e à pobreza. O trabalho fez-se para a realização do homem e não o homem para escravo do trabalho. Não queremos esmolas queremos trabalho digno e com direitos. Queremos mais justiça social. Porque os partidos bem como os políticos não são todos iguais é urgente escolher gente série, gente de verdade, de contas certas. Votar no Bloco de Esquerda é voltar a acreditar nos valores da liberdade e da igualdade na construção de uma sociedade mais fraterna, mais igualitária e mais solidária. Estamos vivos. A felicidade constrói-se e está nas nossas mãos.



publicado por befelgueiras às 00:27
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Meteorologia
Amnistia Internacional
mais sobre mim
pesquisar
 
A Barraca
links
Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


últ. comentários
Encontrei esse mesmo texto na nova Apostila Decisã...
Olá Carlos Carvalho!!!!!A campanha do bloco vai de...
Parabéns pelo post. Visitem o terradesousa.blogspo...
Olá,Meu nome é Priscila Andrade e faço parte da eq...
Acabou-se a «mama» ao oportunista de Caramos?Ou el...
Pois, pois... Mas pelo menos não alinhava por dois...
Foi um resultado bom demais, mais um candidato pat...
E AS IDEIAS QUANDO É QUE VEM ??????????ANTES DOS A...
Bloco Esquerda Felgueiras para Liliana mostrar det...
2009/9/25 Liliana Costa Rádio NFM <liliana.cost...
mais comentados
subscrever feeds
blogs SAPO
as minhas fotos
arquivos

Julho 2016

Junho 2016

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004