«TER PÁTRIA NÃO É NASCER NUM CERTO SÍTIO, É TER DE COMER, TER CASA, ESCOLA, ASSISTÊNCIA MÉDICA». Av. Dr. Magalhães Lemos. Edifício Impacto, Bloco 21. befelgueiras@gmail.com Telemóvel 917684030
Segunda-feira, 31 de Outubro de 2005
Vamos partilhar

Bloco.jpg



publicado por befelgueiras às 22:15
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
 O que é?

Domingo, 30 de Outubro de 2005
Inquérito: Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez?

«Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?».



</td> </td> </td>
Sim


85,14% (63 votos)</font>
Não


8,11% (6 votos)</font>
Não estou informado(@)


6,76% (5 votos)</font>

Total: 74 votos



publicado por befelgueiras às 00:04
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
 O que é?

Sábado, 29 de Outubro de 2005
Bloco - Esquerda de Confiança

esquerdaconfianca.457x150


BEFELGUEIRAS



publicado por befelgueiras às 23:51
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Sábado, 15 de Outubro de 2005
(Ex)citações

      «Só vota num populista quem é vigarista ou analfabeto funcional»      


      Armindo Abreu, Presidente da Câmara de Amarante, Visão nº 657



publicado por befelgueiras às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
 O que é?

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2005
Adere ao Bloco

adere.jpg



publicado por befelgueiras às 18:05
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Declaração de candidatura de Francisco Louçã

Declaração de candidatura de Francisco Louçã


 


Sou candidato para combater esta política do apodrecimento. Sou candidato para apresentar alternativas mobilizadoras, para trazer uma nova visão para o país e, em particular, para impor a escolha de cinco grandes objectivos para os próximos cinco anos.
Leia a intervenção completa de Francisco Louçã
Veja o vídeo
Foto de Paulete Matos


Declaração de candidatura de Francisco Louçã
13 Outubro de 2005


      Houve há pouco tempo um primeiro-ministro que, confrontado com qualquer dificuldade, desanimava com um “O que é que querem, é a vida”. Este torpor parece tomar conta do país: “é a vida” tornou-se a desculpa para o atraso, para a pequenez, para a injustiça. O inevitável desarma a urgência, a rotina massacra a modernização. “É a vida” é o refrão de um país parado.

      E está de facto parado. Trinta anos depois do 25 de Abril, os dois grandes impulsos de transformação deste tempo parecem esgotados: a democratização, que nasceu com a revolução, e a normalização, que se consolidou com a integração europeia. A democracia está a ser corroída pelo privilégio e a Europa pela desistência.

      O filósofo José Gil chamou a estas abdicações o nevoeiro, resultado de uma democracia de consensos de baixa intensidade sem o reconhecimento e o combate das diferenças, e mostrou como a restrição do espaço público à omnipresença do populismo, tanto político como da indústria de entretenimento, esvai a democracia. Onde não há soluções há espectáculo – “é a vida”. Este nevoeiro é o consenso.

      Sou candidato porque quero acabar com o consenso mole: o consenso é o pai da irresponsabilidade. Porque pagamos hoje um preço imenso por este nevoeiro triste: o fechamento do regime político e o apodrecimento do regime social são os resultados destes longos anos de bloco central.

      O apodrecimento é a tragédia de Portugal e a responsabilidade é da élite que nos domina: quem manda não sabe e quem pode não quer. Esta élite viveu do delírio colonial durante séculos, fez uma guerra que só podia perder, habituou-se a ser uma aristocracia de privilégios e concebe agora como sempre o Estado como um cão de guarda dos seus poderes e negócios.

      Os antigos capitães de indústria do Império são hoje barões da finança: com a sua liderança não se aprende, especula-se; não se produz, vende-se; não se inventa, compra-se – “é a vida”. O ouro do Brasil acabou, os fundos comunitários estão a acabar e Portugal é o país com a maior desigualdade entre os mais ricos dos mais ricos e os mais pobres dos mais pobres, com um desemprego real a alcançar os 10%, com o terceiro maior número de trabalhadores precários da Europa, com a maior dependência externa – a empresa portuguesa que mais exporta é estrangeira e pode ir-se embora em 2011. Ao mesmo tempo, a corrupção tornou-se um modo de vida e 20% da economia não paga imposto – “é a vida”?

      Entretanto, a verdade das contas que interessam é ocultada pela espiral do crédito: nos últimos dez anos o endividamento das famílias passou de 40% para 118% em termos do seu rendimento disponível. O futuro vai ser pago em prestações por quem pouco tem.

      Não nos enganemos: Portugal está a mergulhar num ciclo de decadência e de empobrecimento e o único problema da democracia é saber como se juntam as energias sociais para inverter esta situação e vencer o atraso.

      O bloco central governante apercebe-se exactamente deste ciclo de crise e é por isso que quer impor o totalitarismo do discurso consensual e ao mesmo tempo estrangular a democracia com o populismo nos círculos uninominais – o mais grave atentado que se podia conceber contra o pluralismo e a verdade das eleições.

      Sou candidato porque é indispensável que haja quem combata contra esta irresponsabilidade. Sou candidato porque é preciso quem acuse o salve-se quem puder que está a instalar-se a todos os níveis entre os poderosos: os administradores públicos impõem para si próprios os maiores salários e regalias da Europa, como temos o espectáculo despudorado de governantes que são reformados antecipados mas que querem fazer aumentar a idade da reforma para os outros. O tráfico de interesses entre governantes e empresários é simbolizado escandalosamente pela vertigem identitária das figuras que são uma coisa e logo depois outra, como se tudo fosse igual.

      Sou candidato para combater esta política do apodrecimento. Sou candidato para apresentar alternativas mobilizadoras, para trazer uma nova visão para o país e, em particular, para impor a escolha de cinco grandes objectivos para os próximos cinco anos.

      O primeiro objectivo é criar um sistema de protecção social universal e justo e só essa determinação permitirá responder à questão mais urgente do país, que é o desemprego de mais de meio milhão de mulheres e homens. Mas quero apresentar alternativas para a protecção social também a longo prazo, porque o sistema que existe hoje não é nem universal nem justo, nem sequer sustentável. Há hoje mais de 2,5 milhões de pensionistas e somente 1,7 activos por cada pensionista. Antecipa-se por isso que a despesa total com segurança social se eleve de 12,9% do PIB em 2000 para 16,1% em 2075. A proposta de reduzir este custo elevando a idade da reforma é violentamente injusta: a esperança média de vida dos homens é agora de menos de 74 anos e o aumento da idade da reforma condenaria uma vida inteira de descontos a quase nenhuma reforma.

      Nos próximos cinco anos é precisa uma mudança radical do sistema de financiamento que garanta uma segurança social igual para todas e todos, usando uma parte dos impostos e alterando a regra de descontos para que os contributos das empresas sejam proporcionais ao valor acrescentado.

      Nos próximos cinco anos, precisamos de dar grandes passos na convergência da segurança social, começando por baixo, pelos mais pobres e criando uma pensão mínima nacional ao nível do salário mínimo: essa opção custa 0,6% do PIB e é financiável pelo aumento do IVA já verificado.

      O segundo grande tema para os próximos cinco anos é a reforma da justiça. Com um milhão de processos pendentes, com processos de trabalho arrastados por vinte anos, com custas tão elevadas que impedem os pobres de chegarem ao tribunal, com mais presos do que a média europeia e um quarto dos quais preventivos, a justiça não é um pilar da liberdade – e deve passar a ser. Em cinco anos, é preciso salvar a justiça, criando as condições para a priorização do combate à corrupção, para uma justiça acessível e eficaz, e para a redução do prazo máximo de prisão preventiva pelo menos num ano.

      O terceiro grande debate é sobre o levantamento cultural de que o país precisa. Instalou-se a ideia de que a cultura é um luxo e que a maioria dos portugueses se contenta com lixo. Nada mais falso: a exposição de Paula Rego teve 157 mil visitantes e foram vendidos mais de cinco milhões de livros da colecção Mil Folhas (jornal Público). O país exige e deve ter a liberdade de uma criação cultural viva, bem como de um apoio empenhado à criação de públicos e à existência da diversidade – em contraste com o investimento estatal em cultura que continua abaixo de 1% do orçamento.

      A quarta grande questão é a revolução ambiental. Portugal continua a ser o país com maior desperdício energético da Europa dos 15 e onde se perde 40% da água canalizada. Cerca de metade dos portugueses não é servida por estações de tratamento de águas residuais. Pior ainda: Portugal já está 14% acima do limite de emissão de gases com efeito estufa fixado pelo protocolo de Quioto – e nada tem sido feito. O Estado é ambientalmente irresponsável e não haverá modernização sem uma brutal mudança de comportamento público e privado em relação ao ambiente.

      Finalmente, a quinta grande questão que quero suscitar é a Europa. O silêncio consensual sobre a União Europeia esconde um défice tremendo e um impasse preocupante. Ora, é na Europa e com a Europa que podemos e devemos determinar políticas consistentes para o pleno emprego como para a cooperação na investigação científica, na educação, na criação de patamares mínimos de protecção social. A União vai hoje na direcção contrária e essa é a razão da sua crise profunda: com a adesão de Blair à gigantesca mentira e à guerra imperial no Iraque ou agora com a coligação CDU-SPD na Alemanha, é o liberalismo ganancioso que destrói a Europa – e é preciso vencê-lo.

      A minha candidatura serve para assumir responsabilidades em todos estes terrenos e para combater um estilo, um ambiente e uma política que nos diz que o país está como está porque não pode ser de outra forma. É o que nos vão repetir os que se repetem como candidatos. É o que vão repetir os que representam as políticas que provocaram a crise. A esses digo simplesmente que nunca mais me digam que não se pode fazer nada, que “é a vida”, para justificar a desistência e o consenso. Eu não desisto.

      Sou candidato porque, para vencer, a esquerda precisa de um combate clarificador contra as causas da crise nacional e, nesta eleição, vamos escolher entre as grandes ideias para o país. É portanto um tempo de rigor e de frontalidade. Os ajustes de contas, as quezílias, as pequenas divisões não merecem o respeito dos eleitores. Pelo contrário, é tempo para um grande combate político em nome da esquerda socialista moderna contra o conservadorismo e o situacionismo.

      Para vencer, a esquerda tem de acreditar nos seus valores – esses valores são a minha vida. Para vencer, a democracia precisa de romper com o consenso mole – o combate contra o apodrecimento é a minha razão. Para vencer, a esquerda precisa de ideias fortes – é o que debaterei com todos os meus adversários.

      Os eleitores irão escolher quem vai à segunda volta e esse é o sentido da minha candidatura: merecer a confiança de todas e todos quantos procuram uma esquerda maioritária que queira vencer a condenação do atraso, que enfrente as elites dominantes, que recuse a lei da injustiça.

      Esta não é a campanha de uma só pessoa: é todo o movimento socialista popular que é convocado, é toda a esquerda plural que é chamada. Cá estou. Cá estamos – é a vida. É a nossa vida, esta campanha de olhos nos olhos com as pessoas que sofrem, que se inquietam, que se preocupam com os outros, que querem derrotar o cinismo, a incompetência, a exploração e a desigualdade.



publicado por befelgueiras às 18:01
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Quarta-feira, 12 de Outubro de 2005
Ghetto

gueto.jpg


 


Michael Paul Britto


                                                                                     Ghetto Games, 2005


                                                                                          Vídeo digital


                                                                                     Site: ArtNexus.com



publicado por befelgueiras às 13:04
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Adere ao Bloco de Esquerda

 


Adere ao Bloco.bmp


BEFELGUEIRAS



publicado por befelgueiras às 01:54
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Terça-feira, 11 de Outubro de 2005
Bloco de Esquerda: É já o Terceiro Partido nas Freguesias a que concorreu (MARGARIDE)

 




ASSEMBLEIA DE FREGUESIA - FREGUESIA - MARGARIDE(STA EULALIA)

2005 Votos % Mandatos   2001 Votos % Mandatos
PPD/PSD   2997 58,31 9 PPD/PSD   2586 55,29 8
PS   1313 25,54 4 PS   1738 37,16 5
B.E.   208 4,05 CDS-PP/PPM   111 2,37
PCP-PEV   204 3,97 PCP-PEV   108 2,31
CDS-PP   193 3,75



publicado por befelgueiras às 03:44
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Bloco de Esquerda: É já o Terceiro Partido nas Freguesias a que concorreu (PINHEIRO)

 




ASSEMBLEIA DE FREGUESIA - FREGUESIA - PINHEIRO

2005 Votos % Mandatos   2001 Votos % Mandatos
PS   455 64,45 6 PS   497 75,19 6
PPD/PSD   142 20,11 1 PPD/PSD   137 20,73 1
B.E.   65 9,21 CDS-PP/PPM   14 2,12
CDS-PP   17 2,41  



publicado por befelgueiras às 03:37
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Bloco de Esquerda: É já o Terceiro Partido nas Freguesias a que concorreu (PENACOVA)

 




ASSEMBLEIA DE FREGUESIA - FREGUESIA - PENACOVA

2005 Votos % Mandatos   2001 Votos % Mandatos
PPD/PSD   470 64,12 5 PS   438 73,00 6
PS   216 29,47 2 PPD/PSD   120 20,00 1
B.E.   18 2,46



publicado por befelgueiras às 03:28
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Câmara Municipal de Felgueiras

 



CÂMARA MUNICIPAL - CONCELHO - FELGUEIRAS

2005 Votos % Mandatos Presid.   2001 Votos % Mandatos Presid.
XVII 16761 47,69 4   1   PS 17085 52,69 4 1
PPD/PSD 10241 29,14 2     PPD/PSD 12683 39,11 3
PS 5425 15,43 1     CDS-PP/PPM 1043 3,22
CDS-PP 651 1,85     PCP-PEV 826 2,55
PCP-PEV 508 1,45    
B.E. 356 1,01



publicado por befelgueiras às 02:29
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é?

Resultados das eleições autárquicas em Felgueiras

autarquicas2005.jpg



publicado por befelgueiras às 01:52
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Assembleia Municipal de Felgueiras



freguesias apuradas 32  
 freguesias por apurar 0  

  2005     2001  
 inscritos 45462     43461  
 votantes 35141 77,30   32435 74,63 
 brancos 433 1,23   476 1,47 
 nulos 889 2,53   395 1,22 



ASSEMBLEIA MUNICIPAL - CONCELHO - FELGUEIRAS

2005 Votos % Mandatos        2001 Votos % Mandatos
XVII     14313   40,73   15        PS     16392   50,54   17
PPD/PSD     11134   31,68   12        PPD/PSD     13024   40,15   14
PS     6194   17,63   6        PCP-PEV     1082   3,34   1
CDS-PP     846   2,41         CDS-PP/PPM     1066   3,29   1
PCP-PEV     770   2,19            
B.E.     562   1,60      



publicado por befelgueiras às 01:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é?

Sábado, 8 de Outubro de 2005
Malraux

      "Aprendi que uma vida não vale nada,


            mas também que nada vale uma vida"


      André Malraux (1901-1976); aventureiro e novelista francês.  Tradução livre.



publicado por befelgueiras às 19:24
link do post | comentar | favorito
 O que é?

Meteorologia
Amnistia Internacional
mais sobre mim
pesquisar
 
A Barraca
links
Julho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


últ. comentários
Encontrei esse mesmo texto na nova Apostila Decisã...
Olá Carlos Carvalho!!!!!A campanha do bloco vai de...
Parabéns pelo post. Visitem o terradesousa.blogspo...
Olá,Meu nome é Priscila Andrade e faço parte da eq...
Acabou-se a «mama» ao oportunista de Caramos?Ou el...
Pois, pois... Mas pelo menos não alinhava por dois...
Foi um resultado bom demais, mais um candidato pat...
E AS IDEIAS QUANDO É QUE VEM ??????????ANTES DOS A...
Bloco Esquerda Felgueiras para Liliana mostrar det...
2009/9/25 Liliana Costa Rádio NFM <liliana.cost...
mais comentados
subscrever feeds
blogs SAPO
as minhas fotos
arquivos

Julho 2016

Junho 2016

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004